• logo-argo

Perso News

27 de maio de 2021

5 Coisas que você deve saber para voltar a viajar durante a pandemia.

5-coisas-que-voce-deve-saber-para-voltar-a-viajar-na-pandemia

A pandemia do novo Coronavírus foi responsável por mudar a forma com que todos nós encaramos e lidamos com nossos afazeres cotidianos. Desde o surgimento do vírus, fazer as malas e viajar durante a pandemia passou a ser um desafio quase impossível.

No entanto, existem formas de se deslocar desde que se adote e respeite as medidas de segurança e recomendações ao longo de toda a viagem. Por essa razão, elaboramos este artigo para apresentar 5 coisas que você deve saber para voltar a viajar, seja a lazer ou à trabalho.

Quais são os protocolos de segurança e higiene adotados em viagens durante a pandemia?

 Muito provavelmente a maior insegurança dos viajantes seja com a exposição durante o trajeto da viagem, seja por avião, ônibus ou até mesmo de carro. Afinal de contas, durante o traslado, é comum nos encontrarmos em ambientes compartilhados por milhares de pessoas, cada uma delas vindas de algum lugar diferente.

Por isso, vamos começar a lista apresentando os protocolos de higiene e segurança adotados em viagens durante a pandemia.

Viagens de Avião:

Antes mesmo de se iniciar o processo da viagem, a Infraero recomenda que se dirijam aos aeroportos somente aqueles que irão de fato viajar, com o objetivo de reduzir aglomerações no local.

Chegando nos terminais, os viajantes irão se deparar com uma nova estrutura organizacional pensada para atender as medidas sanitárias determinadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), sendo elas:

  • Cumprimento do uso correto de máscaras por passageiros e pessoas em circulação nas áreas públicas do aeroporto, de embarque e desembarque;
  • Uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) por empregados da Infraero e outras pessoas que trabalhem nos aeroportos;
  • Prática do distanciamento social de pelo menos dois metros entre as pessoas;
  • Divulgação de instruções de distanciamento social, higiene e proteção nas áreas operacionais e administrativas, banheiros e estacionamentos;
  • Utilização dos canais digitais para realização de check-in e geração de cartão de embarque, evitando o manuseio de papel;
  • Comparecimento com 1h30min de antecedência mínima aos aeroportos para voos domésticos e, pelo menos, com 3h de antecedência para viagens internacionais;
  • Utilização, se possível, de cartões de crédito ou smartphone para pagamento de compras em lojas, restaurantes, lanchonetes etc.

Vale ressaltar ainda que, por determinação das companhias aéreas, o uso de máscaras em todas as aeronaves comerciais é obrigatório para se viajar durante a pandemia. Segundo uma reportagem do portal Agência Brasil, os passageiros podem escolher entre máscaras de tecido (preferencialmente que tenham camada tripla) ou máscaras profissionais como as cirúrgicas N95/PFF2. Em todos os casos, as máscaras não devem ter válvulas. Bandanas, lenços e máscaras de acrílico estão proibidos, e os protetores faciais (Face Shields) só devem ser utilizados com máscara por baixo.

Viagens de Ônibus:

As recomendações básicas para as viagens feitas em ônibus, como uso de máscaras; distanciamento social; avisos e indicações de medidas de higiene e segurança; disponibilização de álcool em gel e adoção de EPIs por parte daqueles que trabalham nas rodoviárias, continuam valendo igualmente aos aeroportos.

Além disso, os ônibus passam por processos de desinfecção rigorosos que levam 20 minutos para serem concluídos. Outras medidas como a implementação de cortinas entre os assentos, redução da capacidade de passageiros e a desinfecção do ar à base do ozônio (responsável por eliminar 99,9% das bactérias) contribuem para a criação de um ambiente mais seguro para os viajantes.

Como funciona a quarentena exigida em alguns países?

Com a instabilidade provocada pelo novo Coronavírus, uma das dúvidas mais recorrentes é a de como funciona a quarentena exigida por alguns países de destino.

Antes de mais nada, é fundamental entender que essas informações estão sujeitas a influência de uma série de variáveis, o que significa que é importante manter-se atualizado.

Dito isso, vamos entender como está a situação de alguns países até maio de 2021. Para facilitar a análise, iremos dividir as informações por continente, destacando as principais informações dos principais países.

Américas:

A começar pelo hemisfério sul do continente, a maioria dos países está adotando medidas de restrição mais fortes para viajantes. Dentre eles, cabe mencionar Chile, Peru e Uruguai como alguns dos exemplos que exigem quarentena dos turistas; vale citar também a Colômbia que, embora adote medidas mais restritivas, não apresenta a quarentena obrigatória. Argentina, Equador e Paraguai apresentam medidas de restrição moderadas, mas também exigem a quarentena obrigatória.

O México se apresenta como um dos países a adotar medidas moderadas de restrição, mas exigente com a quarentena obrigatória. Já os Estados Unidos, embora adotem medidas fortes de restrição, não apresentam informações sobre a quarentena obrigatória.

Europa:

De forma geral, os países da Europa estão adotando medidas moderadas de restrição, dentre os quais cabe citar Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Noruega e Portugal. Outros destinos como Alemanha, Holanda, Itália, Reino Unido e Suíça, por outro lado, optaram por medidas mais fortes. Com exceção do país espanhol, todos exigem quarentena obrigatória.

Lembramos ainda que as dinâmicas da quarentena obrigatória, como quantidade de dias (embora em média sejam de 14 dias), realizações de exames e afins, varia de país para país. Por isso, recomendamos que se mantenha sempre atualizado das novidades do seu próximo destino.

Preciso fazer algum exame para viajar durante a viagem?

 A necessidade de realizar algum exame ao se viajar durante a pandemia é relativa às determinações de cada país, o que significa que, assim como o tópico anterior, é fundamental se manter atualizado sobre as novidades constantemente.

O mais comum é a exigência do teste PCR antes da realização da viagem, sendo esse o exame pedido pela maioria dos países como Argentina, Chile, Espanha, Estados Unidos, França e Peru. A maioria pede que o procedimento seja feito 72 horas antes da viagem, salvo algumas poucas exceções que baixam esse tempo para 48 ou 36 horas.

Alguns países, como o México, não possuem exigência de exames prévios para entrar no país. No entanto, caso sejam detectados sintomas, pode ser solicitado que o viajante realize exames médicos ao chegar.

É importante pontuar também que, para todos os viajantes que chegam no Brasil, é exigido um teste PCR feito 72 horas antes da viagem. Para viagens domésticas, o único destino que exige testes é Fernando de Noronha.

É preciso comprovante de vacinação ou carteira de vacinação para viajar durante a pandemia?

 Que existe uma série de documentos importantes que precisam estar em dia para viajar você já sabe, mas com as novas regras e dinâmicas de viagem, uma das perguntas mais comuns é se precisamos de um comprovante ou carteira de vacinação para viajar durante a pandemia.

O fato é que as discussões sobre esse tópico são muito recentes, o que significa que nenhuma determinação foi oficializada ainda.

Mesmo assim, existem discussões sobre a criação de um documento chamado Certificado de Vacinação para a COVID para Viajar, também conhecido como “passaporte da imunização”. Caso adotado, este certificado confirmará que seu portador tomou a vacina da COVID-19 em qualquer território.

Hoje, o mais próximo de um documento como esse é o Passe de Saúde, desenvolvido por companhias aéreas, entidades não-governamentais e empresas de tecnologia, visando uma maior organização das informações de saúde de cada viajante, referentes ao Coronavírus, seja sobre vacinação ou resultados de testes PCR passados. Segundo a World Travel and Tourism Council (WTTC) os passes teriam a missão de indicar os resultados de testes PCR.

Por fim, também se discute a possibilidade da criação de um “passaporte de saúde”, no qual ficaria disponível não apenas informações pertinentes ao contexto da pandemia, mas sim todo o histórico de saúde daquele viajante, incluindo dados sobre alergias, deficiências e vacinas em geral.

No final das contas, o melhor e principal documento para se levar em uma viagem continua sendo o resultado de um teste PCR. Caso você já tenha tomado a vacina do Coronavírus, leve-o também por garantia. Relembramos que a vacina da Febre Amarela continua sendo a mais importante, exigida por 125 países para se viajar.

Como funciona a vacinação fora do Brasil?

A vacinação contra a COVID-19 já é uma realidade e cada vez mais pessoas estão sendo vacinadas mundo à fora. Em alguns países o processo é mais rápido, mas em outros, mais lentos. Essa discrepância é justamente o que desperta a vontade de alguns brasileiros de buscar a vacina em outros países, um processo conhecido como Turismo da Vacina.

Cuba, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Israel, e Rússia são alguns dos países que já declararam que abrirão a vacinação para turistas, no entanto, a forma com que esse processo vai ocorrer varia de um país para o outro.

Um exemplo dessa peculiaridade são os Estados Unidos, que autorizou a vacinação de turistas sob a responsabilidade de cada estado, não sendo uma decisão de âmbito Federal.

Vale pontuar que todos esses países se manifestaram a favor de vacinar turistas, mas salvo algumas poucas exceções (como o estado da Flórida) a maioria ainda não iniciou o processo.

De todas as formas, caso esteja planejando viajar durante a pandemia para se vacinar, lembre-se: acompanhe as novidades sobre documentação necessária e planeje sua viagem para que seja o mais segura e confortável possível.

fonte: https://useargo.com/blog/5-coisas-que-voce-deve-saber-para-voltar-a-viajar-na-pandemia/